terça-feira, 22 de dezembro de 2009

A CONFRARIA DOS DESILUDIDOS

A CONFRARIA DOS DESILUDIDOS
Por: William Vicente Borges

Tem gente cheia de ódio
Vivendo de gambiarras emocionais
Onde sua vida é um grande auto-engano
Seus pensamentos são uma elucubração
De atos que de tão conscientes são loucos

Sua existência provém dos pingos
Irritantes de uma história de invejas
Onde causar a infelicidade é o grande prazer
Estes jamais viram a Deus, mesmo
Que entusiasticamente dizem que crêem

Estão sempre trilhando o caminho da antipatia
E paz é uma palavra que os mesmos desconhecem
Porque nunca viveram a paz que alenta
São como tigres prontos a estraçalhar
Suas vítimas. Mesmo que tenha seu DNA

Eles formam a confraria dos desiludidos
Que nunca viveram, não vivem e nem viverão
Pois se acham normais e todos os demais são loucos
Como porcos cujo natural é a lama
E todos os demais limpos, estão errados.

São almas nojentas vivendo em estado de ódio
Cuja mente é inspirada pelo inferno
Uma existência triste e amarga
E por mais que dêem presentes no natal
Continuarão sendo sempre o que são: baratas.

.....................
Verão de 2009 (dezembro)

2 comentários:

SB-SSA disse...

Meu caro William, que belos poemas, que belo blog! Posso publicar no meu blog um poema seu (o que eu desejo)? Bem, tomare a ousadia de fazê-lo você autorizando ou não. Caso não goste, você pde para retirar. Sendo assim, no dia 28/12 publicarei seus versos no salvador na sola do pé. Um abraço.

Secretaria Iktus disse...

A vontade caro