sábado, 24 de março de 2007

ANDANDO NAS NUVENS

ANDANDO NAS NUVENS
20/04/05

Existem sonhos que se acumulam por toda nossa vida. Pois não são realizados no tempo e na hora que desejamos, mas mesmo assim não desistimos deles, eles vão se acumulando e acumulando e formam, as vezes, montanhas muito altas. Aos poucos vamos escalando esta montanha de sonhos, sem nos dar conta realmente do quanto ela é alta. Mas prosseguimos, a uma certa altura da montanha o cansaço parece nos abater, pois são tantos os obstáculos que se formam ao longo da árdua subida. São pedras que surgem das oportunidades que nunca apareceram, o desânimo então nos abate de uma tal forma que imaginamos que não vale nem a pena mais sonhar, e como é triste pararmos de sonhar. Mas nossas pernas doem, nossos ossos reclamam, afinal se nada acontece, prosseguir pra que? Sonhara pra que?
Mas uma gota de esperança surge e então prosseguimos, subimos mais um pouco, perseguindo para algo que não temos, que não vemos, mas que de alguma forma, sabemos, está lá em algum lugar, enquanto isso outros sonhos vão surgindo, e estes se estacionam junto aos antigos e a montanha não pára de crescer, e nossa vida vai passando diante de nossos passos, e a uma certa altura da montanha perdemos o oxigênio, quase perecemos, mas vale a pena tnao sacrifício? Morrer por nossos sonhos, não será uma grande loucura?
Mas então em um determinado momento desta caminhada chamada vida, nos deparamos mais fortes, pois numa certa altura da montanha olhamos para cima e vemos mais alguém, sim mais uma pessoa, e adiantamos o passo para encontrá-la, ela começou a sonhar e também escala a montanha, nos emparelhamos com ela, e descobrimos atônitos que aquela montanha que julgávamos ser só nossa, também tem outro dono, sim outra pessoa que sonhava os nossos mesmos sonhos. Sonhos de Amor.
Então nos damos as mãos e juntos combinamos forças, e felizes continuamos subindo a montanha, só que quanto mais perto do topo vamos chegando, a montanha que dantes parecia tão cruel e hostíl, vai se modificando, começam aparecer flores, que juntos colhemos sorrindo, a cada instante a subida fica menos íngreme e árdua. O peso dos ossos é de todo trocado pela alegria das mãos dadas e da caminhada segura.
Os desejos dos corações são revelados e são os mesmos, desejos de felicidade, e sem mais sem menos o topo chega, mas nem nos apercebemos disso e continuamos caminhando e desta vez abraçados, irmanados, apaixonados, mal nos contemos em perceber que todos os nossos sonhos se realizaram quando nos encontramos. Então, e só então, percebo que na verdade não estamos mais no topo da montanha e que a muito tempo, ESTAMOS ANDANDO NAS NUVENS.

FIM

2 comentários: